métodos contracetivos

 

Quanto mais souber sobre as opções contraceptivas disponíveis, melhor poderá tomar decisões informadas acerca do método que melhor se adapta às suas necessidades. Utilizados correctamente são, todos eles, métodos contraceptivos altamente eficazes e que oferecem 99 por cento de eficácia… mas qual o método que melhor se adapta ao seu estilo de vida e às suas necessidades? Verifique as suas características essenciais com base na frequência de utilização que pretende.

Diária

Pílula combinada
Os médicos chamam à pílula clássica a pílula combinada porque contém duas hormonas em pequenas quantidades, o estrogénio e a progesterona. É o método contraceptivo a que a maior parte das pessoas se refere quando menciona a pílula.

Aplicação
É geralmente tomada diariamente durante três semanas, seguida de uma semana de interrupção da pílula, durante a qual geralmente ocorre a hemorragia de privação. Idealmente, deveria ser tomada todos os dias à mesma hora, mas um atraso de 12 horas não afecta a sua eficácia. Porém, um atraso superior a 12 falta 24/4 horas exige o uso temporário de outro contraceptivo.

Efeito
O seu mecanismo de acção mais importante é a inibição da ovulação (libertação dos óvulos), mas também aumenta a espessura do muco cervical e torna o revestimento do útero mais fino.

Índice de Pearl
A eficácia de um contraceptivo exprimi-se pelo número de gravidezes que ocorrem em 100 mulheres, que utilizam o método durante 1 ano. Os médicos chamam -lhe o Indíce de Pearl. Por exemplo, se um contraceptivo tem um Indíce de Pearl de 1%, significa que 1 mulher em 100 ficará grávida durante a sua utilização por um período de 1 ano. Por outras palavras este método tem 99% de eficácia.

Vantagens

  • Elevada protecção contraceptiva
  • Pode diminuir a intensidade dos períodos.

Desvantagens

  • Tomado diariamente
  • Não é aconselhado a fumadoras com mais de 35 anos, mulheres com pressão arterial elevada, tendência para trombose ou insuficiência hepática.
  • Por vezes pode causar hemorragias entre os períodos menstruais.

A pílula sem estrogénio

A pílula sem estrogénio é eficaz, tal como a pílula combinada, mas apenas contém uma pequena quantidade de um progestagénio. A ausência de estrogénio torna-a recomendada para as mulheres em fase de aleitamento, intolerantes ao estrogénio ou que sofram de efeitos secundários relacionados com o estrogénio, provocados pela pílula combinada.

Aplicação
A pílula sem estrogénio é tomada diariamente sem interrupção, o que torna a sua utilização muito fácil. Idealmente, deve ser tomada à mesma hora todos os dias, mas um atraso de até 12 horas não afecta a sua eficácia. No entanto, um atraso superior a 12 horas implica a utilização temporária de outro contraceptivo não hormonal (ex. Barreira).

Efeito
É a primeira pílula sem estrogénio que oferece uma inibição consistente da ovulação e que aumenta a consistência do muco cervical. Os estudos indicam que esta pílula é muito eficaz. Pode ser tomada com um atraso até 12 horas se a utilizadora se esquecer de a tomar no horário normal.

Índice de Pearl
A eficácia de um contraceptivo exprimi-se pelo número de gravidezes que ocorrem em 100 mulheres, que utilizam o método durante 1 ano. Os médicos chamam -lhe o Indíce de Pearl. Por exemplo, se um contraceptivo tem um Indíce de Pearl de 1%, significa que 1 mulher em 100 ficará grávida durante a sua utilização por um período de 1 ano. Por outras palavras este método tem 99% de eficácia.
0,41

Vantagens

  • Elevada protecção contraceptiva
  • Pode diminuir a intensidade dos períodos.

Desvantagens

  • Tomado diariamente
  • Não é aconselhado a fumadoras com mais de 35 anos, mulheres com pressão arterial elevada, tendência para trombose ou insuficiência hepática.
  • A eficácia pode ser afectada por perturbações gastrointestinais.
  • Por vezes pode causar hemorragias entre os períodos menstruais.



Semanal

O sistema transdérmico hormonal

O sistema transdérmico hormonal é o único método de contracepção semanal. Tal como a pílula combinada, liberta estrogénio e progestagénio, embora as mulheres devam estar conscientes que a sua exposição ao estrogénio é ligeiramente superior ao observado com as pílulas combinadas de baixa dosagem (estrogénio e progestagénio).

Aplicação
O sistema transdérmico hormonal de 4,5 x 4,5 cm é aplicado pela utilizadora sobre a pele limpa e seca. A mulher deve pressionar o sistema transdérmico hormonal com a palma da mão, com firmeza, durante 10 segundos para se certificar que as extremidades estão bem coladas e, a partir daí, verificar todos os dias se as extremidades ainda estão coladas. O sistema transdérmico hormonal pode ser colocado no abdómen, nádegas, braço ou parte superior do corpo – mas não nos seios. O sistema transdérmico hormonal é substituído sete dias mais tarde, e depois de três semanas de utilização não se deve usar nenhum sistema transdérmico hormonal durante uma semana, semana na qual ocorre a menstruação. Em seguida começa um novo ciclo de aplicações.

Efeito
O sistema transdérmico hormonal tem um efeito contraceptivo devido às hormonas, estrogénio e progestagénio, que passam para a corrente sanguínea através da pele. Esta combinação de hormonas evita não só a ovulação, como também altera a espessura do muco cervical bloqueando a entrada dos espermatozóides!

Índice de Pearl
A eficácia de um contraceptivo exprimi-se pelo número de gravidezes que ocorrem em 100 mulheres, que utilizam o método durante 1 ano. Os médicos chamam -lhe o Indíce de Pearl. Por exemplo, se um contraceptivo tem um Indíce de Pearl de 1%, significa que 1 mulher em 100 ficará grávida durante a sua utilização por um período de 1 ano. Por outras palavras este método tem 99% de eficácia.
0,90

Vantagens

  • Apenas tem que pensar em contracepção uma vez por semana
  • Tão eficaz como a pílula
  • A eficácia não é afectada por perturbações gastrointestinais


Desvantagens

  • Não é adequado para mulheres fumadoras com mais de 35 anos, mulheres com a pressão arterial elevada, com tendência para a trombose ou com doença hepática.
  • Pode surgir irritação da pele
  • O sistema transdérmico fica visível
  • Menos eficaz em mulheres com mais de 90 Kg.



Mensal

O anel

O anel vaginal flexível oferece-lhe protecção contra uma gravidez não desejada durante um mês. Imagine o que será só ter de pensar em contracepção uma vez por mês! Além disso: o anel liberta hormonas directamente através das paredes da vagina sem passar pelo tracto gastrointestinal. Este facto permite que as doses de hormonas fornecidas pelo anel sejam inferiores às que são fornecidas pela pílula, e significa que as perturbações gastrointestinais não reduzem a eficácia deste método contraceptivo.

Aplicação
O anel flexível de 5,4 cm é introduzido pela mulher na vagina, como um tampão. A posição exacta do anel na vagina não afecta a sua eficácia. É utilizado durante três semanas e depois é retirado. Um novo anel deve ser introduzido exactamente uma semana mais tarde. Durante a semana em que não se utiliza o anel aparece a hemorragia. O anel macio, flexível e confortável é fácil de introduzir e de retirar.

Efeito
Uma vez inserido na vagina, o anel liberta doses baixas das hormonas estrogénio e progestagénio, inibindo assim a ovulação. Além disso, também torna o muco cervical mais espesso impedindo a passagem dos espermatozóides para o útero.

Índice de Pearl
A eficácia de um contraceptivo exprimi-se pelo número de gravidezes que ocorrem em 100 mulheres, que utilizam o método durante 1 ano. Os médicos chamam -lhe o Indíce de Pearl. Por exemplo, se um contraceptivo tem um Indíce de Pearl de 1%, significa que 1 mulher em 100 ficará grávida durante a sua utilização por um período de 1 ano. Por outras palavras este método tem 99% de eficácia.
0,65

Vantagens

  • Utilização uma vez por mês
  • Tão fácil de introduzir como um tampão
  • Tão eficaz como a pílula
  • Baixa dose de hormonas
  • Bom controlo do ciclo
  • Os problemas gastrointestinais não afectam a sua eficácia.
     

Desvantagens

  • Não é recomendado a fumadoras com mais de 35 anos, mulheres com pressão arterial alta, tendência para trombose ou insuficiência hepática.
  • Raro: a sensação de um objecto estranho dentro do corpo
 


Trimestral

A injecção

A injecção contraceptiva contém uma dose de hormonas de progestagénio bastante alta, semelhante ao progestagénio produzido pelos ovários. Uma vez que a hormona é injectada no corpo, os efeitos secundários podem persistir enquanto o efeito da injecção permanecer e, por vezes, durante mais algum tempo.

Aplicação
A hormona é injectada num músculo, geralmente nas nádegas da mulher, mas também pode ser administrada na perna ou no braço. Depois da injecção, o progestagénio é gradualmente libertado na corrente sanguínea. A injecção deve ser repetida de três em três meses.

Efeito
As injecções funcionam, principalmente, pela inibição da ovulação, embora também produzam o espessamento do muco cervical e tornem o revestimento do útero menos espesso.

Índice de Pearl
A eficácia de um contraceptivo exprimi-se pelo número de gravidezes que ocorrem em 100 mulheres, que utilizam o método durante 1 ano. Os médicos chamam -lhe o Indíce de Pearl. Por exemplo, se um contraceptivo tem um Indíce de Pearl de 1%, significa que 1 mulher em 100 ficará grávida durante a sua utilização por um período de 1 ano. Por outras palavras este método tem 99% de eficácia.
0,3

Vantagens

  • Não ter que pensar em contracepção enquanto dura o efeito da injecção
  • Pode ser usado durante a amamentação
  • A eficácia não é afectada por perturbações gastrointestinais
  • Recomendado para mulheres que não podem tomar estrogénios

Desvantagens

  • As injecções devem ser administradas por um médico
  • O regresso à fertilidade inicial pode demorar – até um ano após a interrupção das injecções
  • Hemorragias irregulares e imprevisíveis



Contraceção durante vários anos

O implante

O implante hormonal oferece à mulher protecção contra a gravidez durante três anos. Uma vez introduzido correctamente, não requer qualquer acção diária por parte da mulher – e é muito eficaz. Nada para lembrar, nada para esquecer! Contém um progestagénio denominado etonogestrel e não contém estrogénio.

Aplicação
O implante hormonal tem aproximadamente 4 cm de comprimento e 2 mm de espessura. É um implante em plástico, macio e flexível. Normalmente, o implante é colocado por baixo da pele do braço pelo seu médico. O implante tem que ser introduzido e retirado por meio de um procedimento realizado no consultório ou hospital pelo seu/sua médico/a. É utilizado um anestésico local de efeito ligeiro para minimizar o desconforto, tanto na introdução como na remoção. A maior parte das mulheres não consegue ver o implante após a introdução. Apenas você e o seu médico saberão que está a usá-lo. Uma vez introduzido, o implante pode ficar no local até três anos, embora possa ser removido mais cedo se pretender. Recomenda-se apalpação logo após a colocação para localização do implante.

Efeito
O implante evita a gravidez de várias formas. A mais importante é por meio da interrupção da libertação dos óvulos pelo ovário. Altera também o muco cervical e esta alteração pode impedir que os espermatozóides entrem no útero e, além disso, provoca também alterações do revestimento do útero, o que impede que o óvulo se possa implantar ali.

Índice de Pearl
A eficácia de um contraceptivo exprimi-se pelo número de gravidezes que ocorrem em 100 mulheres, que utilizam o método durante 1 ano. Os médicos chamam -lhe o Indíce de Pearl. Por exemplo, se um contraceptivo tem um Indíce de Pearl de 1%, significa que 1 mulher em 100 ficará grávida durante a sua utilização por um período de 1 ano. Por outras palavras este método tem 99% de eficácia.
0-0,14 (intervalo de confiança)

Vantagens

  • Contracepção até três anos
  • Método muito eficaz
  • Dose baixa de hormonas
  • Aconselhável em casos de intolerância ao estrogénio
  • Discreto
  • Rápido retorno à fertilidade pré-existente

Desvantagens

  • São possíveis algumas alterações no padrão de hemorragia – a menstruação tende a tornar-se mais irregular
  • Não é aconselhável em casos de tromboses agudas, embolias ou doenças hepáticas graves

 


O sistema intra-uterino hormonal

O sistema intra-uterino hormonal baseia-se na combinação de um sistema intra-uterino e uma hormona, o progestagénio. Proporciona contracepção até cinco anos. Como o sistema intra-uterino é introduzido directamente no útero, a sua utilização só é aconselhável a mulheres que já tenham sido mães e que estejam numa relação monógama mútua.

Aplicação
O sistema intra-uterino hormonal é inserido pelo ginecologista directamente no útero, utilizando um aplicador específico. O sistema intra-uterino permanece no corpo até cinco anos, tempo durante o qual liberta a sua substância activa continuamente e em quantidades iguais. Devido ao longo período em que permanece no corpo deverão ser realizados exames médicos regulares para poder garantir que o sistema intra-uterino está numa posição correcta.

Efeito
O sistema intra-uterino hormonal é feito de plástico. É colocado directamente no útero e evita que um ovo fertilizado se implante (nidação). Enquanto está no corpo, o sistema intra-uterino continua a libertar continuamente pequenas quantidades da hormona progestagénio. Isto tem como resultado um espessamento da mucosa à entrada do útero, o que faz com que a penetração pelos espermatozóides se torne mais difícil.

Índice de Pearl
A eficácia de um contraceptivo exprimi-se pelo número de gravidezes que ocorrem em 100 mulheres, que utilizam o método durante 1 ano. Os médicos chamam -lhe o Indíce de Pearl. Por exemplo, se um contraceptivo tem um Indíce de Pearl de 1%, significa que 1 mulher em 100 ficará grávida durante a sua utilização por um período de 1 ano. Por outras palavras este método tem 99% de eficácia.
0,2

Vantagens

  • Contracepção efectiva durante cinco anos
  • Elevada protecção contraceptiva
  • Aconselhável para casos de intolerância ao estrogénio
  • Não é afectado por perturbações gastrointestinais.

Desvantagens

  • Inicialmente podem surgir irregularidades no ciclo menstrual.
  • São recomendadas ecografias regulares.
  • Em mulheres que ainda não tenham sido mães, a inserção poderá ser impossível ou dolorosa.



Contraceção de emergência (CE)

Corresponde a um grupo de métodos de contraceção que a mulher pode utilizar para prevenir a gravidez.

A CE está indicada nas relações sexuais não protegida (RSNP):
1. Relação Sexual sem utilização de contraceção;
2. Relação Sexual não adequadamente protegida (Falha contracetiva);
3. Crime contra a autodeterminação sexual
 em mulher não utilizadora de método contracetivo.

Estão disponíveis em Portugal três formas de contraceção de emergência: DIU DE COBRE e a PÍLULA com Levonogestrel ou Acetato Ulispristal.

DIU DE COBRE
É o método de contraceção de emergência mais eficaz. Pode ser utilizado pelas mulheres que necessitem de contraceção de emergência e também pretendam um método de contraceção de longa duração. Deve ser colocado até 5 dias após a RSNP.

PRECAUÇÕES: Não deve ser utilizado por mulheres com malformações uterinas.
EFEITO CONTRACETIVO: Impede a nidação.
EFICÁCIA: 99,9%.
VANTAGENS; Eficácia;
 Contraceção de longa duração.
DESVANTAGENS: Implica um procedimento médico.

ORAL
Pílula de emergência (também conhecida como “pílula de dia seguinte”). Pode ser:

- Pilula de Levonorgestrel
Toma única. A ser usada até às 72 horas após a 
relação desprotegida;

- Pílula com Acetato de Ulispristal
Toma única. A ser usada até às 120 horas após a 
relação desprotegida;

PRECAUÇÕES: Após a toma de uma pílula de emergência deve ser iniciado ou continuado um método de contraceção com a necessidade de utlização de preservativo durante 7 dias (no caso de utilização de pílula de levonorgestrel) ou 14 dias (no caso de utilização de pílula com acetato de Ulipristal).

EFEITO CONTRACETIVO:
- Pílula de Levonorgestrel: Bloqueio ou atraso da ovulação;

- Pílula de Acetato de ulipristal: Bloqueio ou atraso na ovulação.

EFICÁCIA:
- Pílula com Levonorgestrel: a eficácia depende da rapidez da toma após RSNP: 95% (< 24h após a RSNP); 85% (24 - 48h após a RSNP); 58% (49 - 72h após a RSNP);
- Pílula com Acetato de ulipristal: 96% nos 5 dias após RSNP.

VANTAGENS:
- Pílula com Levonorgestrel: Sem contraindicações. Não tem complicações na fertilidade futura. Pode ser repetida no mesmo ciclo;
- Pílula com Acetato de ulipristal: Maior eficácia. Eficaz na fase pré- ovulatória tardia e precoce. Eficaz até às 120 horas após a RSNP. Não tem complicações na fertilidade futura.

DESVANTAGENS:
- Pílula com Levonorgestrel: Apenas eficaz nas primeiras 72 horas após a RSNP. A eficácia depende da precocidade da toma. Não eficaz na fase pré-ovulatória tardia;
- Pílula com Acetato de ulipristal: Contraindicação em algumas doenças. Não pode ser repetido no mesmo ciclo.